2018 ficará na história, e o que podemos esperar depois?

Estamos nos aproximando de 2019 e iremos iniciar um ano novo com muita expectativa e acompanhando de perto todas as ações a serem feitas pela classe politica em nosso país

2018 ficará na história. Como um candidato, sem apoio, sem Fundo Partidário, com um tempo mínimo de TV, criticado em todas as esferas consegue uma eleição majoritária, usando apenas redes sociais e um apoio surpreendente da população.

Os comentários dão conta de que a população está cansada de viver em um país onde a corrupção, o crescimento da violência e o desemprego foram os principais critérios escolhidos pelos eleitores para eleger seus representantes a nível estadual e federal. A renovação surpreendeu tanto na Assembleia Legislativa quanto no Congresso Nacional. Nomes tradicionais da politica foram arrancados sem dó nem piedade e trouxe nomes não tanto conhecidos mais novos na política e que pregam mudanças.

Se por um lado, o governo federal a partir de 1° de janeiro será comandado por um Presidente com muitas ideias, Minas Gerais não fica de fora.  A eleição de um empresário, tirando do cenário político, velhos conhecidos como o senador Antônio Anastasia, PSDB e Fernando Pimentel, PT, partidos populistas e que comandavam o Estado há anos. Há muito que ser feito pelo Estado em relação às áreas econômica, social e de segurança. No Estado a questão do funcionalismo, o débito com os municípios e o déficit público são itens que o novo governador terá que gerir com muito cuidado e atenção para não se indispor com os eleitores que acreditaram em suas palavras.

 

Município

 

Como falar de eleições nacionais sem falar da situação atual do nosso município. As eleições de 2016 ainda continua sendo debatida juridicamente sobre o uso e a forma de campanha promovida por uma das chapas.

Eleito com 50.698 votos, a chapa encabeçada por Leone Maciel está sendo questionada pela chapa de Emílio Vasconcelos Costa, segundo lugar com 33.848 com uma ação judicial e já em primeira instância a juíza Eleitoral Dra. Marina Rodrigues Brant decidiu pela cassação da Chapa “Sete Lagoas Merece Respeito” encabeçada por Leone e Duílio, sob a acusação de irregularidades nas eleições de 2016.

Houve recurso em segunda instância, porém, segundo relatos, a decisão de cassação foi mantida e a qualquer momento podem ser afastados do poder o prefeito Leone Maciel e seu vice Duílio de Castro o que causou maior reboliço na cidade.

Nos bastidores da politica, nem saiu o veredito, correligionários aliados ao prefeito Leone já declararam rompimento, ou seja, a correnteza não corre mais para o mesmo lado.

Outra questão é em relação à possiblidade de uma nova eleição. Mesmo com as noticias de que o município passa por dificuldades, há comentários de que pelo menos seis podem lança seus nomes para uma possível candidatura ao executivo, nomes que incluem inclusive vereadores que antes eram apoiadores incondicionais do prefeito Leone no inicio da sua administração.

É impressionante como as questões referentes à política em Sete Lagoas nunca surpreendem quem sempre acompanha de perto as movimentações nos bastidores.

Agora resta saber e esperar os novos acontecimentos relacionados à possível confirmação de uma cassação e os bastidores da politica local para dar prosseguimento aos próximos capítulos.

Silvana 2.png

Silvana Emerick

Graduada em Licenciatura Plena em Letras e atuante na área do jornalismo de Sete Lagoas desde 1987

Nossa História

Nossa Visão