Quem nos explica é a professora Maria de Lourdes Faria, que comenta sobre a importância de refletir sobre o uso em sala de aula com o uso do Internetês nas escolas e suas consequências .


O que é o  tão badalado internetês?

Trata-se de uma linguagem que tem sido muito utilizada em todos os cantos do Brasil e exterior é fundamental que os alunos tenham uma participação ativa e busquem pesquisar com olhar critico dentro dessa realidade as possíveis consequências que podem trazer a escrita na comunicação mundialmente falando.

 

Qual o impacto desta nova linguagem no dia a dia?  

A evolução da internet trouxe para a língua portuguesa uma grande preocupação que é o uso das abreviações pelos internautas e amplamente utilizada pelos jovens globalizados. O que deveria ser considerado um acréscimo e aliado para o aprendizado, hoje tornou-se motivo de grande preocupação devido ao seu uso inadequado nas redes sociais e no dia a dia. Existe uma descrença geral no meio educacional em relação ao “internetês”, estudiosos, e principalmente os professores da língua portuguesa, temem os desajustes que podem ocorrer na língua portuguesa com o uso indiscriminado das abreviações das palavras usadas nas redes sociais.

Então, como os estudiosos do tema consideram o impacto do uso do internetês , e sua difusão entre a juventude? 

O tema Internetês é visto, hoje, com relevante grau de dificuldade de aceitação para a sociedade. As pessoas já vivem em conflito com o escrever e o falar bem antes dessas evoluções virtuais

Há certa preocupação com o futuro dessa nova geração de internautas tanto no social como cultural e, por isso as facilidades da globalização digital com um mundo de informações vindo de todos os cantos com tamanha e assustadora velocidade, é primordial um acompanhamento de perto para ajudar que esses jovens não se percam e sejam conduzidos para uma comunicação saudável.

 

O que pode resultar deste modismo de se escrever de

tudo em internetês ? 

Esse uso de abreviações está ligado mais ao mundo dos adolescentes que as utilizam para facilitar a conversa entre si. Esses são seduzidos por linguagens peculiares, as quais vêm de todos os cantos do país e muitas vezes do exterior, uma vez que não existem mais fronteiras no mundo virtual e, uma preocupação é que não se perca a originalidade da linguagem.

Com isso, a consequência desse processo, o chamado vicio,  pode ser identificada como uma linguagem nada promissora para quem escreve e para quem lê, sendo uma grande preocupação para os estudiosos e principalmente os educandos que necessitam de um equilíbrio e preparo para ajudar esses adolescentes alertando-os para as consequências dessa escrita nos processos escolares e para a vida profissional. 

Qual seria então a função dos educadores, e da própria família, frente ao uso  corriqueiro desta nova linguagem pelos jovens? 

Estimular o uso correto da língua portuguesa e conscientizar da necessidade do uso responsável do ”internetês”, também é função principalmente da escola que busca uma visão não preconceituosa sobre o tema em questão.

Ao falar, o brasileiro expressa sua identidade, que nunca é uniforme, e o país respira sua diversidade, que insiste em nos unir. Refletir a respeito dessas abreviações da linguagem é de extrema necessidade para não cair no vício o qual poderá ter dificuldades para retornar a escrita correta da língua, ou seja, o mal-uso pode se tornar um processo irreversível.

A primeira avaliação deve vir dos familiares, aos quais precisam colocar limites e auxiliar a juventude para que o uso indiscriminado dessa escrita não prejudique a sua formação escolar. Como instrumento de ensino, o professor deve orientar os alunos no seguimento dessa linguagem e ajudá-los a analisar com criticidade o uso correto da língua portuguesa.

Uma  nova linguagem que a cada dia  está sendo muito utilizada em todos os cantos do Brasil e exterior.

Mais que cair na onda do novo modismo passageiro, é fundamental que os alunos tenham uma participação ativa e busquem pesquisar com olhar critico dentro dessa realidade as possíveis consequências que podem trazer a escrita  e também na comunicação mundialmente falando.